Pré-jogo: Cruzeiro × Palmeiras

Por Verdazzo em

De volta ao clima de decisão. Na noite em que completa 101 anos de História, pelas oitavas-de-finais da Copa do Brasil o Verdão encara o Cruzeiro no Mineirão, depois de ter vencido o jogo de ida por 2 a 1 no Allianz Parque. O jogo ganhou ares dramáticos depois da derrota frente ao Atlético, já que uma eliminação na Copa do Brasil nos relega virtualmente a fecharmos 2015 sem título, embora as chances de título no Brasileirão ainda existam, ao menos matematicamente.

Marcelo Oliveira segue com problemas para escalar o time. Arouca confirmou a previsão pessimista e não se recuperou para o jogo, e segue de fora. Cristaldo sentiu a coxa esquerda no treinamento e não deve ficar no banco. Além deles, Gabriel e Cleiton Xavier seguem no estaleiro. Alecsandro e Leandro Almeida não podem jogar a Copa do Brasil por já terem defendido outras equipes, e o único alento é a possível liberação de Victor Ramos.

A princípio, Lucas, Robinho e Rafael Marques devem seguir como titulares, mesmo em fase irregular. Gabriel Jesus, no entanto, teve uma boa participação no segundo tempo no Independência e não será surpresa se tiver uma chance. O time que deve ir a campo é Fernando Prass; Lucas, Jackson (Victor Ramos), Vitor Hugo e Zé Roberto; Amaral e Andrei Girotto; Rafael Marques (Gabriel Jesus), Robinho (Gabriel Jesus) e Dudu; Barrios.

No Cruzeiro, o clima é de hecatombe. A única vitória nos últimos oito jogos foi exatamente contra nós, naquele jogo da camisa amarela há duas semanas - mais por demérito do Palmeiras do que por um bom futebol do time de Vanderlei Luxemburgo, que já sofre um bombardeio de dirigentes, torcida e imprensa. O cenário é de eliminação e demissão.

Como cenário não ganha jogo, o treinador espera puxar um ás da manga e reverter a situação nesta partida. Para isso, precisa resolver a lateral-direita, já que Mayke sofreu lesão na coxa no último jogo e Ceará, apesar de ter sido relacionado, é dúvida. Léo, que é zagueiro mas jogou contra nós fazendo esse papel há 17 dias, está fora, e Fabiano, que também é zagueiro de origem, pode ser a solução para fazer a função. Depois da derrota acachapante no Itaquerão, é possível que Luxa faça várias mudanças no time; caso mantenha o time, a escalação será Fábio; Ceará (Fabiano), Manoel, Paulo André e Mena; Henrique, Charles e Fabrício; Marquinhos, Leandro Damião e Alisson.

RETROSPECTO

No total, Palmeiras e Cruzeiro já se enfrentaram 83 vezes, com 30 vitórias do Palmeiras, 22 empates e 31 derrotas; marcamos 125 gols e sofremos 118.

  • Em partidas com mando do Cruzeiro o retrospecto é ruim: foram 37 jogos, 5 vitórias, 12 empates e 20 derrotas; com 29 gols marcados e 55 sofridos;
  • Jogando no Mineirão, foram 30 jogos, com 5 vitórias, 9 empates e 16 derrotas;
  • Pela Copa do Brasil, esta será a sexta partida; os times já se encontraram duas vezes nas finais: perdemos em 1996 (1x1 e 1x2) e demos o troco em 1998 (0x1 e 2x0), além dos 2 a 1 da semana passada;
  • Apita o jogo Anderson Daronco. Sob seu comando, disputamos quatro partidas, com duas vitórias, um empate e uma derrota; sempre lembrando que o empate foi um roubo absurdo no Pacaembu em partida contra o Flamengo no Brasileirão do ano passado.

PARPITE

Em jogo de mata-mata, quando se chega aos quinze minutos finais e a classificação está por um gol, o time que está em vantagem invariavelmente se retrai e o que precisa do gol vai pra cima – e se estiver jogando em casa, normalmente chega ao gol, seja no erro do adversário, seja por pressão na arbitragem. Por isso, é fundamental que o Palmeiras, no mínimo, marque um gol antes da fase crítica. Se estiver ganhando por um a zero, ainda pode levar um gol; se estiver empatado, caso leve o gol tem pelo menos a chance dos pênaltis. E se estiver perdendo por 2 a 1 ou 3 a 1, tanto faz: é o Palmeiras que tem que partir pra cima, mas um gol nessa fase da pressão nos classifica, e como dizem os atleticanos, eles tremem.

Com esse clima negativo sobre o time deles, e sabendo que a torcida azul é daquele tipinho que só vai na boa, não acredito em clima pesado no Mineirão. O Palmeiras tem todas as condições de controlar o jogo e voltar classificado: dá 1 a 1 e ninguém leva o parpite – mas todos ficarão felizes com um belo presente de aniversário. VAMOS PALMEIRAS!