Escolhas de Roger e falta de sorte: Guerra explica poucos minutos em campo

Por Palmeiras Todo Dia em
Provável titular do Verdão para o jogo de logo mais contra o Junior Barranquilla, o meia Alejandro Guerra admitiu que gostaria de atuar mais vezes, mas ao mesmo tempo fez questão e dizer que respeita as escolhas do técnico Roger Machado.

"É decisão da comissão técnica (jogar pouco). Respeito o que eles fazem. Não gosto de ficar no banco, mas respeito a decisão do Roger. Trabalho para jogar, um minuto, dois ou noventa, sempre com a certeza de fazer as coisas bem. Quem decide se jogo ou não, é a comissão técnica, mas sempre respeito a decisão deles, sempre" disse o camisa 18.

"Lógico que quero ter mais oportunidades, ter uma sequência, e trabalho forte para jogar sempre, mas como falei, respeito a decisão da comissão técnica. Quero jogar, ajudar a equipe. Jogo de futebol não é só 1 ou 2, jogam 11, e quem está no banco também é importante" completou.

Questionado se a falta de oportunidades também não acontece em função de seguidas contusões, ou de problemas pessoais, Guerra respondeu: "Sim. Tem isso também... Penso nisso: por que quando estou bem machuco ou acontece algo? Isso é o futebol. Tenho que aceitar".

No Palmeiras desde janeiro de 2017, Guerra já disputou 52 jogos e marcou 8 gols. O venezuelano, eleito o melhor jogador da Libertadores de 2016, tem contrato até dezembro de 2020.